Exames

Exames de Rotina

Outros exames


Exames de Rotina


Teste do pezinho

Para que serve: Nome popular para a triagem neonatal, o teste do pezinho detecta precocemente doenças que poderão causar alterações no desenvolvimento mental e físico do bebê. O diagnóstico precoce oferece condições de um tratamento diferenciado logo nas primeiras semanas de vida, diminuindo ou eliminando as seqüelas associadas a cada doença e evitando deficiências (para saber mais ver Crianças com deficiências).
Como é feito: É feito a partir de gotas de sangue colhidas do calcanhar do recém-nascido. Por ser uma parte do corpo rica em vasos sanguíneos, o material pode ser colhido através de uma única punção, rápida e quase indolor, mas a dor ainda é uma sensação nova para o bebê e por isso ele chora.
Quem deve fazer: Todas as crianças recém-nascidas.
Quando se faz: O ideal é que o teste seja feito entre o 3º e o 7º dia de vida.
Onde: Na própria maternidade ou nas Unidades de Coleta nas UBS. É possível obter o endereço através do Serviço de Referência em Triagem Neonatal ou da própria Secretaria Municipal de Saúde.
Custo: Gratuito.
Atenção: O teste do pezinho é obrigatório por lei em todo o Brasil e em 2001 foi instituído o Programa Nacional de Triagem Neonatal, que prevê a identificação de até quatro doenças: fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, hemoglobinopatias e fibrose cística. Os exames realizados em cada Estado serão aqueles para os quais está habilitado a fazer, conforme as fases de implantação estabelecidas pelo Ministério da Saúde.
Importante: O Teste do Pezinho é apenas um teste de triagem. Um resultado alterado não implica em diagnóstico definitivo de qualquer uma das doenças, necessitando de exames confirmatórios.

Teste da orelhinha

Para que serve: O objetivo do exame é detectar precocemente a deficiência auditiva. Embora não avalie o grau da perda, ele é capaz de detectar possíveis alterações auditivas nos primeiros meses de vida, possibilitando uma intervenção precoce que propiciará à criança um desenvolvimento de fala e linguagem próximo da normalidade (para saber mais ver Crianças com deficiências).
Como é feito: O exame é feito por um fonoaudiólogo. É de rápida execução (em torno de 5 minutos), não tem nenhuma  contra-indicação e não exige nenhuma intervenção invasiva (uso de agulhas, sedação ou eletrodos), sendo realizado através de um pequeno fone de ouvido colocado, preferencialmente, com o bebê dormindo.
Quem deve fazer: Todas as crianças recém-nascidas.
Quando se faz: Aproximadamente 48 horas após o nascimento.
Onde: Por meio da Lei Estadual Nº 12.522 de 2 de janeiro de 2007, é dever das maternidades do estado de São Paulo realizar a triagem auditiva neonatal, conhecida como “teste da orelhinha”.
Custo: Gratuito.
Atenção: Se o bebê falhar no teste, ele deverá ser reavaliado após 15 dias. Se falhar novamente no teste, será encaminhado ao médico otorrinolaringologista para exames complementares que diagnosticarão a deficiência auditiva.

Outros exames

Hemoglobina e hematócrito

Para que serve: Para avaliar se a criança tem anemia.
Como é feito: A partir de uma amostra do sangue da criança.
Quem deve fazer: Especialmente se a criança nasceu antes da hora (prematura), com baixo-peso, não foi amamentada ou tem dificuldade de acesso a uma alimentação completa e adequada para a idade. Se a criança se encontra em uma destas situações, deve ser discutido com o profissional que a acompanha sobre a solicitação deste exame.
Quando se faz: É definido pelo profissional de saúde.
Onde: Na UBS.
Custo: Gratuito.

Dosagem de chumbo
Para que serve: Para avaliar o nível de chumbo no organismo da criança.
Como é feito: A partir de uma amostra do sangue da criança.
Quem deve fazer: Crianças que vivem ou visitam com freqüência casa construída antes de 1950 ou antes de 1978 que tenham sido reformadas recentemente, que convivem com pessoas que tenham sido tratadas por este problema, que têm contato com adultos cujo trabalho envolva exposição ao chumbo (construção, metalurgia, cerâmica), que vivem perto de local de reciclagem de baterias, próximo de rodovias ou depósitos de lixo.
Quando se faz: A partir dos nove meses.
Onde: Na Unidade Básica de Saúde mais próxima da residência
Exame Protoparasitológico das Fezes - PPF

Para que serve: É o exame de fezes solicitado com mais frequência às pessoas. Com ele é possível detectar a presença de parasitas ou vermes, como são mais conhecidos, (helmintos e protozoários) nas fezes.
Como é feito: É feito a partir de amostras de fezes da criança. Geralmente são solicitadas três amostras colhidas com um dia de intervalo entre elas. Orienta-se colher o material da fralda imediatamente após a evacuação com a utilização da espátula que acompanha o frasco. Não é necessária uma grande quantidade, o tamanho de uma noz é uma ótima referência. A coleta pode ser feita em qualquer horário e o frasco deve ser guardado em um saco plástico amarrado dentro da geladeira.
Quem deve fazer: Crianças em acompanhamento de saúde.
Quando se faz: Não existe uma data padrão. O profissional que solicita leva em consideração certos critérios. Por exemplo, sinais e sintomas relatados pela mãe ou outra pessoa que leva a criança à consulta e a idade da criança, pois alguns remédios não podem ser administrados para crianças pequenas.
Onde: A coleta é feita em casa e o material deve ser entregue na UBS.
Custo: Gratuito.
Atenção: É preciso cuidado na hora de fazer a coleta para que não haja contaminação do material com a urina.
Importante: Crianças menores de seis meses têm pouca probabilidade de adquirir uma verminose porque pouco vão ao chão. Prevenir verminose é fácil. Algumas atitudes que devem ser feitas são: manter as unhas da criança sempre cortada, lavar sempre as mãos das crianças, além dos brinquedos e qualquer outro objeto que ela leve à boca. Também deve-se lavar e cozinhar bem os alimentos, beber água limpa (filtrada, clorada, fervida, mineral). E também manter a higiene de animais que vivem na casa.